quinta-feira, 5 de março de 2015

CADEIA PRODUTIVA DE FLORES E 

PLANTAS DEVE CRESCER 9% EM 2015


Natal - O mercado de folhagens de corte, flores e plantas tropicais está aquecido e deve expandir 9% no Rio Grande do Norte. Essa tem sido a média de crescimento estimada para o setor e, para fomentar a atividade, o Sebrae no Rio Grande do Norte planeja ações voltadas para os integrantes dessa cadeia produtiva que vão ajudar o desenvolvimento de produtores,  floristas, distribuidores e revendedores.  De acordo com último diagnóstico feito pelo Sebrae, esse segmento chega a movimentar cerca de R$ 6,1 milhões, principalmente em cidades da Grande Natal, principal polo produtor potiguar.

As medidas programadas fazem parte das ações do Projeto Flores e Plantas do RN, idealizado pelo Sebrae para auxiliar produtores de flores e plantas ornamentais temperadas e tropicais, floristas, viveiristas, artistas florais, decoradores e paisagistas. Atualmente, cerca de 70 empreendedores recebem o apoio e suporte do projeto.

Segundo a gestora do Projeto Flores e Plantas do RN, Sergina Fernandes, o projeto promoverá várias atividades de capacitação para todos os produtores ao longo do ano. “A nossa ideia é levar aos produtores de flores e plantas trabalhos de consultoria em produção, gestão e comercialização de produtos, além de capacitação com visitas técnicas”. Apesar de as novas tecnologias de produção oferecerem produtos praticamente ano todo, o comércio de flores apresenta consumo mais acentuado em datas comemorativas, como Dia das Mães e Dia dos Namorados.

Para mudar esse quadro, uma das metas do Sebrae é realizar exposições semanais para fortalecer o setor. “A intenção é que as pessoas não comprem flores apenas em períodos comemorativos, mas que elas conheçam primeiramente os produtos e sintam-se atraídas para comprá-los”, diz Sergina Fernandes. Na avaliação da gestora, um dos objetivos do projeto é fortalecer o segmento de flores e plantas tropicais, melhorando a produtividade e qualidade dos produtos, aumentando a comercialização e gerando renda aos empreendedores.

Missão Técnica

Quem integra o projeto sabe da importância das iniciativas promovidas pelo Sebrae. É o caso do grupo de 18 produtores que foram a uma missão técnica rumo à Flórida, nos Estados Unidos, em janeiro. Lá, eles participaram da Feira Internacional de Flores Tropicais, uma das maiores do setor mundialmente. José de Ataíde Fontes foi um dos participantes da missão. O empreendedor atua no segmento de mudas há mais de vinte anos.

Toda a produção é cultivada em Nísia Floresta, município há trinta quilômetros da capital potiguar. O seu empreendimento, Agrofontes, já foi responsável pelo preparo de vários gramados de campos de futebol localizados aqui no RN. Com sua ida à Feira, o empreendedor diz ter aprendido bastante.

“A missão foi importante para estabelecer uma rede de relacionamento. O que mais  chamou a atenção foram as visitas técnicas a campos esportivos. Aprendi ao máximo e tirei muitas dúvidas sobre técnicas de insumos, sombreamento e várias formas de adubar melhor a plantação”, destacou.

A visão e o olfato nunca foram tão enriquecedores para a empreendedora Maria Auxiliadora Guerra Ribeiro. Proprietária da Quinta Tropical, uma empresa que opera na produção de flores tropicais e de folhagens, a florista cultiva esse flores e folhagens há 11 anos no distrito de Cana Brava, em Macaíba, e também em Ceará-Mirim, há pouco mais de cinco anos.

Novas práticas

A empresária foi outra integrante da missão na Flórida e absorveu experiências que podem ser aplicadas ao empreendimento. “Transformar algumas folhagens de corte em plantas envasadas, introduzir algumas técnicas para agregar valor à comercialização destes produtos, adquirir novas variedade de folhagens e plantas ornamentais para comercialização em supermercados e a médio e longo prazo criar um espaço para a comercialização dos meus próprios produtos e de outros fornecedores”. 

O produtor Bruno de Menezes Lyra atua na área de gramas ornamentais há nove anos com a Lyra Agropecuária - situada na cidade de Alto do Rodrigues, no Oeste Potiguar. O produtor também participou da Feira Internacional de Flores Tropicais e já pretende aplicar alguns métodos vivenciados no exterior.

“O modo como o setor no estrangeiro tem lidado com plantas é bem diferente do nosso. Sobretudo no preparo do solo e na tecnologia operacional utilizada, que foram uma das coisas que mais prenderam a minha atenção. É uma das coisas que pretendo colocar em prática com o apoio do Sebrae”, revelou o empreendedor.
Fonte: SEBRAE/RN 
Por Kelvin Oliveira