domingo, 31 de março de 2013

.

APOSTADORES DO AM E RN DIVIDEM 

PRÊMIO DE R$ 46.O34.029,50 DA 

LOTOMANIA DA PÁSCOA



Dois apostadores, um de Manaus e outro de Mossoró (RN), acertaram as 20 dezenas do concurso 1.135 da Lotomania especial de Páscoa, realizado em Gramado (RS), e irão dividir a maior parte do prêmio de R$ 46.034.029,50. Cada um deles receberá R$ 20.626.601,34.

Os 20 números sorteados pela Caixa Econômica Federal são: 02 - 03 - 11 - 24 - 28 - 29 - 31 - 40 - 52 - 53 - 56 - 60  - 61 - 75 - 76 - 81 - 83 - 90 - 92  - 93.
 
Os donos dos 63 bilhetes que acertaram 19 números vão levar R$ 36.024,50 cada um. Outras 986 pessoas fizeram 18 acertos e vão levar R$ 2.301,77. Três apostas não acertaram nenhuma dezena e vão receber R$378.257,30. Cada bilhete possuia 100 dezenas, das quais 50 deveriam ser assinaladas pelo apostador.

Fonte: UOL 

 

sexta-feira, 29 de março de 2013


.


NA COZINHA COM CARLOS ESCÓSSIA


BACALHAU ENSOPADO A CARLOS ESCÓSSIA
    

A receita culinária que vamos socializar hoje - com as amigas e amigos leitores do blog - é o "Bacalhau Ensopado a Carlos Escóssia"

Trata-se de um prato simples e bastante saboroso, ideal para acompanhar um bom vinho  tinto.


INGREDIENTES 
 
1 kg de bacalhau
3 cebolas picadas
4 tomates picados se sementes
1 pimentão pequeno verde
1 pimentão vermelho
2 pimentas de cheiro
1/2 xícara do coentro picado
2 dentes de alho amassados
1/2 xícara de cebolinha picada
1 colher de sobremesa de colorau
1/2 xícara de salsinha picada 
2 colheres de azeite de dendê
50ml de azeite de oliva 
1 xícara de nata fresca ou creme do sertão 
pimenta do reino e sal a gosto 
1/2 xícara de azitona picada
 

MODO DE PREPARAR:


1° Passo: Deixe o bacalhau de molho por 36 horas, mudando frequentemente a água, de preferência gelada.

2° Passo: Escalde o bacalhau numa rápida fervura e tire as peles e espinhas e desfie.

3° Passo: Separe o bacalhar desfiado e tempere com pimenta do reino, coentro e um pouco de sal.

4° Passo: Em uma panela, leve ao fogo um fio de azeite e refogue as cebolas, adicionando os tomates, pimentões, coentro, cebolinha e a salsinhas, fazendo um bom refogado.

5° Passo: Junte o bacahau e misture bem para que se incorpore ao refogado e acrescente o colorau, o azeite de dendê e a pimenta de cheiro.

6° Passo: Cubra com o leite de coco, regue com o restante do azeite, tampe a panela e, em fogo baixo, deixe cozinhar. 

7º Passo: Quando estiver cozido, coloque a nata ou creme do sertão, e misture delicadamente (Ui, que delícia!), desligue o fogo e sirva acompanhado de arroz branco.

Último Passo: Tome uma taça de vinho e experimente o sabor do  Bacalhau Ensopado a Carlos Escóssia!


  NOTA DO BLOG:

No próximo domingo, apresentaremos a receita do saboroso "Filé a Carlos Heitor Montoya"



quinta-feira, 28 de março de 2013


FELIZ PÁSCOA




PREFEITURA E CAIXA FIRMAM COOPERAÇÃO 

 TÉCNICA PARA AGILIDADE EM PROJETOS



A Prefeitura Municipal de Mossoró (PMM) e a Caixa Econômica Federal (CEF) celebraram, na manhã desta quinta-feira, uma cooperação técnica que vai agilizar o andamento de processos do município que tramitam na Caixa. Através da cooperação, um servidor do banco ficará responsável por acompanhar os procedimentos que envolvem as duas instituições, dando celeridade aos processos.

A assinatura do Termo de Cooperação Técnica aconteceu no Salão dos Grandes Atos, no Palácio da Resistência. A prefeita Cláudia Regina recebeu o superintendente da CEF, no Rio Grande do Norte, Roberto Sérgio Linhares, que veio acompanhado do gerente geral da CEF/Mossoró, Aldemir de Souza, do gerente regional da área de desenvolvimento do banco, Paulo Antônio Longo e dos diretores Nildo Marciel e Valéria Espínola.

Na solenidade, a prefeita destacou a importância desta cooperação e aproveitou para pedir ao superintendente agilidade nos processos referentes ao início das obras de reurbanização das comunidades do Tranquilim e Wilson Rosado.

“É muito importante este contato direto com a Caixa, principalmente porque temos o compromisso do superintendente de que iremos fazer de tudo para que possamos iniciar logo a execução de projetos importantes como a reurbanização do Tranquilim e o saneamento integrado”, comentou a prefeita.

O superintendente da CEF, Roberto Sérgio, voltou a elogiar a determinação da prefeita e disse que, a cooperação técnica é um instrumento fundamental para o avanço dos projetos.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social - PMM 

 


 


PROSTITUTA AUTORIZADA

Essa é do tempo em que, para ser prostituta, a gente tinha de pedir autorização ao delegado (se é que esse tempo existiu algum dia).

Nem bem o dia amanheceu, a velhinha acordou para ir à feira. Quando passava diante da delegacia, viu uma fila de jovens garotas com as pernas de fora. Curiosa, abordou a última da fila:

- Me explica uma coisa, menina! Pra que essa fila?

A garota, com dezoito anos recém-completados, envergonhada, resolveu mentir:

- É pra pegar autorização para colher laranjas no sítio da prefeitura!

- Oba! Eu adoro laranjas! - e postou-se logo atrás da ruivinha.

Quando chegou a vez da velhota, o delegado indignou-se:

- Mas vovó, a senhora nessa idade ainda trepa?

- Trepar eu não trepo, mas chupar eu chupo!

Enviada por Togo Ferrário


.


REMINISCÊNCIA DO PASSADO


Eu (Carlos Escóssia), Anchieta Alves e Cortez Pereira, no lançamento da candidatura de Cortez, ao governo do RN pelo Partido Democrático Trabalista (PDT).

SÉLECT NOUVEAU FAZ TRIBUTO 
AOS MAMONAS ASSASSINAS

 

O Sélect Nouveau promove mais uma noite de homenagem nesta quinta-feira, dia 28 de março, véspera de feriado, com um tributo aos Mamonas Assassinas. Os responsáveis por relembrar este irreverente repertório serão os meninos da banda mossoroense MP3, que já preparou os maiores sucessos dos Mamonas para animar o público. Universitários terão entrada gratuita no Sélect até as 23h.

Mamonas Assassinas foi uma banda brasileira de rock cômico, formada em Guarulhos-SP. O som era uma mistura de punk rock com influências de gêneros populares, tais como forró, brega, além de heavy metal, pagode, música mexicana, rap, reggae e o vira de Portugal. A carreira da banda durou pouco tempo, de julho de 1995 até 2 de março de 1996, quando foram vitimas de um acidente aéreo.

O grupo acarretou a venda de mais de 3 milhões de cópias pelo Brasil, sendo certificado com Disco de Diamante em 1995. Álbum este, que com letras bem-humoradas, como ‘Pelados em Santos’, ‘Robocop Gay’, ‘Vira-Vira’ e ‘Mundo Animal’, os levou ao sucesso instantâneo.

Opa! Comunicação Integrada




INSTITUTO HISTÓRICO PEDE SOCORRO
 

A maior fonte de pesquisa sobre a história do Estado do RN está agonizando. A casa, construída em 1906, é uma viagem ao passado, mas hoje sofre a falta de apoio para se manter funcionando.
 

Por isso, esta semana a diretoria do IHGRN reuniu-se extraordinariamente para discutir os graves problemas enfrentados pela entidade. Na ocasião, a diretoria recebeu a visita do Presidente da Assembléia, Ricardo Motta, que, juntamente com sua assessoria, averiguou de perto o estado físico e patrimonial da Casa, que está em precário estado de conservação. Motta, que ficou impressionado com a situação, firmou um compromisso de apoiar o IHGRN no que for possível.

Em abril, está marcada a solenidade em comemoração aos 111 anos do Instituto, que que faz aniversário em 29 de março e pede socorro. “São três séculos de memória que correm o risco de desaparecer”, alerta o presidente Valério Mesquita.

Valério, juntamente com Ormuz Barbalho (vice-presidente), Carlos Gomes (Secretário Geral), Odúlio Botelho (Secretário Adjunto), George Veras (Diretor financeiro) e Edgar Dantas (Diretor da Biblioteca), se mostraram bastante preocupados com o atual quadro do IHGRN, que não tem fontes de arrecadação próprias. Ele informou que a diretoria está providenciando convênios com várias entidades públicas, tais como a Universidade Federal do RN, Assembléia Legislativa, Prefeitura do Natal, Governo do Estado, Bombeiros, Cosern, Caern, Fundação José Augusto, IPHAN, CREA-RN, Teatro Alberto Maranhão, entre outras, dos setores público e privado, no sentido e viabilizar o ‘socorro’ necessário para que o acervo de quase 300 anos de historia do RN não venha a sucumbir diante da realidade atual.

O presidente desabafa: “Nesse território emocional e dominó de reminiscências inapagáveis imperam o lixo, a depredação, a escuridão, o abandono e a insegurança”. Segundo ele, o acervo é singular. O livro de Barleus, no qual Gaspar Van Barle descreve os oito anos do governo holandês de Maurício de Nassau, de 1647, bíblias antigas, bibliotecas, objetos de museus, manuscritos e registros eclesiásticos, fotografias de personagens da história política, social, cultural, jurídica e religiosa de cem a trezentos anos passados desde os períodos: colonial, imperial e republicano.

É realmente lastimável que o Rio Grande do Norte não se dê conta que sua memória corre o sério risco de desaparecer. Cerca de cinqüenta mil obras, entre livros e periódicos antigos, alguns deles datados do século dezoito, fazem parte do acervo. O IHGRN sofre, inclusive, pela falta de climatização e iluminação adequada para arquivar as obras antigas.

A contradição – nas proximidades do Instituto, a beleza arquitetônica da Igreja de Santo Antônio (Igreja do Galo), o Memorial Câmara Cascudo e o Palácio da Cultura (antigo Palácio do Governo), além da antiga Igreja Matriz e a praza Padre João Maria. O Memorial, vizinho do IHRGN, de grande importância histórica ali está praticamente vazio, enquanto o Palácio,se impõe imponente e conservado, abrigando agora a pinacoteca do Estado. A praça Padre João Maria é um verdadeiro ‘vuco- vuco’.
Enfim, o desprezo por este sítio histórico nos dá sentimento de pura tristeza. O Rio Grande do Norte está perdendo sua rica memória. As gerações futuras herdarão, apenas, fragmentos virtuais de séculos de história.

Enviado por Waleska Maux - Jornalista


Indicadores e Índices Econômicos - 28/03/2013


Fonte: Empresário Online
INFLAÇÃO - FONTES DIVERSAS - REFERÊNCIA ATUALIZADA: MARÇO/ 2013

ÍNDICES
jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12
INPC / IBGE (%)
IPCA / IBGE (%)
IPCA Esp / IBGE (%)
ICV / DIEESE (%)
IPC / FIPE (%)
ClasMéd/Ordem (%)
IGP-DI / FGV (%)
IPA -DI / FGV (%)
IPC-DI / FGV (%)
INCC-DI / FGV (%)
IGP-M / FGV (%)
IPA-M / FGV (%)
IPC-M / FGV (%)
INCC-M / FGV (%)
CUB-Sinduscon (%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
0,43
0,43
0,33
0,42
0,13
0,14
1,52
2,13
0,22
0,67
1,34
1,81


0,48
0,45
0,41
0,39
0,20
0,27
0,25
1,29
1,77
0,44
0,26
1,43
1,99


0,14
0,63
0,57
0,48
0,42
0,55
0,49
0,88
1,11
0,54
0,22
0,97
1,25
0,49
0,21
0,07
0,71
0,59
0,65
0,81
0,80
0,72
-0,31
-0,68
0,48
0,21
0,02
-0,20
0,58
0,24
0,20
0,54
0,60
0,54
0,57
0,68
0,71
0,25
0,16
0,45
0,33
-0,03
-0,19
0,33
0,23
0,18


dez/12 jan/13 fev/13 mar/13 12meses
INPC / IBGE (%)
IPCA / IBGE (%)
IPCA Esp / IBGE (%)
ICV / DIEESE (%)
IPC / FIPE (%)
ClasMéd/Ordem (%)
IGP-DI / FGV (%)
IPA -DI / FGV (%)
IPC-DI / FGV (%)
INCC-DI / FGV (%)
IGP-M / FGV (%)
IPA-M / FGV (%)
IPC-M / FGV (%)
INCC-M / FGV (%)
CUB-Sinduscon (%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
0,74
0,79
0,69
0,43
0,78
0,84
0,66
0,74
0,66
0,16
0,68
0,73
0,73
0,29
0,04
0,92
0,86
0,88
1,77
1,15
1,14
0,31
0,00
1,01
0,65
0,34
0,11
0,98
0,39
-0,01
0,52
0,60
0,68
0,12
0,22
0,29
0,20
0,09
0,33
0,60
0,29
0,21
0,30
0,80
-0,01


0,49












6,77
6,31
6,43
6,89
5,91
6,09
8,24
9,24
6,04
7,18
8,29
9,34
5,83
7,35
6,80

Fonte: Folha Online, Valor Econômico


DÓLAR – EURO – OURO

I-Dólar:
Comercial Paralelo
DIA Compra Venda Compra Venda
22/03
25/03
26/03
R$ 2.009
R$ 2.010
R$ 2.015
R$ 2.011
R$ 2.012
R$ 2.017
R$ 1.910
R$ 1.920
R$ 1.920
R$ 2.150
R$ 2.150
R$ 2.160
II-Euro:
. . .2,2900 .
DIA Compra Venda. . .
22/03
25/03
26/03
R$ 2.615
R$ 2.594
R$ 2.582
R$ 2.616
R$ 2.595
R$ 2.583

.
III-Ouro:




DIA Compra


22/03
25/03
26/03
R$ 103,90
R$ 103,50
R$ 103,50



Fonte: CMA


POUPANÇA/ DIA – MARÇO/ 2013

Período
Poupança (1)
Poupança (2)
13/03 a 13/04
14/03 a 14/04
15/03 a 15/04
16/03 a 16/04
17/03 a 17/04
18/03 a 18/04
19/03 a 19/04
20/03 a 20/04
21/03 a 21/04
22/03 a 22/04
0,5000%
0,5000%
0,5000%
0,5000%
0,5000%
0,5000%
0,5000%
0,5000%
0,5000%
0,5000%
0,4134%
0,4134%
0,4134%
0,4134%
0,4134%
0,4134%
0,4134%
0,4134%
0,4134%
0,4134%
(1) Depósitos até 03/05/12
(2) Depósitos a partir de 04/05/12 - MP nº 567, de 03/05/12
Rendimento da Caderneta de Poupança no último dia do período.
Fonte: Valor Econômico


REAJUSTE DE ALUGUEL E OUTROS CONTRATOS:

ÍNDICES ACUMULADO % ATÉ JANEIRO/ 13
Trimestr Quadrim Semestr Anual
FIPE
IGP-DI
IGP-M
INPC
2,63
1,22
1,00
2,22
3,45
0,90
1,02
2,94
4,29
3,11
3,45
4,06
5,61
8,11
7,91
6,63

ACUMULADO % ATÉ FEVEREIRO/ 13
Trimestr Quadrim Semestr Anual
FIPE
IGP-DI
IGP-M
INPC
2,16
1,17
1,32
2,20
2,85
1,42
1,29
2,75
4,24
1,99
2,29
4,13
5,91
8,24
8,29
6,77
Fonte: Folha Online
a) Acumulado até janeiro reajusta aluguéis e contratos a partir de fevereiro, para pagamento em março.
b) Acumulado até fevereiro reajusta a partir de março, para pagamento em abril.

quarta-feira, 27 de março de 2013


GIANNINI E THÁBATA ESTÃO 
JUNTOS EM NOVO PROJETO


Duas das vozes mais conhecidas do cenário musical norte-rio-grandense agora estão juntas em um projeto inovador. O sanfoneiro Giannini Alencar e a cantora Thábata Mendes aliaram talentos para um novo desafio em suas carreiras, mesclando estilos que estão sempre em alta, que são o forró e o sertanejo.


O lançamento oficial da nova carreira de Giannini & Thábata já tem data a local definidos para acontecer. O público mossoroense terá a oportunidade de conhecer este novo projeto e presenciar o primeiro show da dupla em festa no Sélect Nouveau, em Mossoró-RN, dia 6 de abril. Na oportunidade, também será lançado o CD promocional.

Este CD promocional, que dá o pontapé inicial ao projeto de Giannini & Thábata, foi gravado no dia 17 de março e é composto por 13 músicas. Das faixas presentes no álbum, seis são autorais, sendo o primeiro hit de trabalho a canção ‘Quem não te quer sou eu’, que já é uma das mais pedidas na programação das principais rádios de Mossoró.

Esse trabalho liderado por Giannini Alencar e Thábata Mendes também traz releituras, na roupagem do forró, de sucessos que embalaram épocas pelo Brasil, como ‘Alô Paixão’, interpretada por Ivete Sangalo quando vocalista da Banda Eva. Nesse estilo também está a ‘Calafrio’, da então banda baiana Terra Samba.

Opa! Comunicação Integrada




ABERTAS INSCRIÇÕES PARA PALESTRA 

SOBRE IMPOSTO DE RENDA

O Departamento de Ciências Contábeis da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (DCC/UERN) abriu inscrições para a palestra “Imposto de Renda: a Delagacia da Receita do Brasil em Mossoró” ministrada por Clayton de Oliveira Carlos, auditor fiscal da Receita Federal em Mossoró.

Os interessados devem se deslocar até o Departamento de Ciências Contábeis para solicitar a inscrição. O evento ocorrerá no dia 8 de abril, no auditório da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais (FAFIC), às 19h.

A palestra tem como público alvo professores, alunos e servidores da UERN.

Enviado por Auris Martins 


.


REVISTA FORMAS 

EDIÇÃO DE MARÇO DE 2013



 ACABOU DE SAIR MAIS UMA

 EDIÇÃO DA REVISTA FORMAS

A Formas está aí mais uma vez com uma edição bem dedicada ao que temos de melhor: os projetos de ambientação e interiores, sem esquecer a multiplicidade de temas que sempre estampam nossas páginas.

Começamos com entrevista de um dos arquitetos mais comentados nos últimos meses. Ricardo Dantas é o responsável pelo projeto de dois dos três atuais estádios de futebol em construção. O outro é o Arena das Dunas.

Nas ambientações, um caprichado projeto de Cypriana Pinheiro para uma residência voltada ao mar, cercada do que há de melhor.

As arquitetas do escritório de Franzé Arquitetos elaboraram a ambientação de um apartamento de 120² amparadas no fator sobriedade e funcionalidade, sem deixar de lado o conforto.

Larissa Cardoso fornece boas dicas para montagem de um living, cheio de sofisticação e um projeto luminotécnico diferenciado.

Se você quer dar uma repaginada em uma antiga residência sem tirar dela o charme da época, Luzia Emerenciano e Mychelle Araújo mostram como se faz nas próximas páginas.

Maria Luzia Negreiros transformou um amplo apartamento em um espaço clean e ao mesmo tempo arrojado no uso de materiais modernos.

Se o seu estilo primar mais pelo conservadorismo e o gosto pelas peças clássicas, os arquitetos Anderson Costa e Patrícia Diniz dão algumas ideias de como montar sua ambientação.

Para fechar, mais uma vez contemplamos um município potiguar para mostrar suas riquezas naturais, potenciais turísticos e características peculiares. Desta vez é Patu, detentor de alguns recordes mundiais.

É isso.

Clique (Aqui) e boa leitura!

Enviado por Demétrius Coelho Júnior
 Revista Formas Potiguar


.


SETORES ECONÔMICOS SÃO AFETADOS 

PELA FALTA DE INVESTIMENTOS 

DA PETROBRÁS 
 
 Sindicalistas tratam em reunião sobre política adotada pela Petrobras - Marcos Lima


Representantes de sindicatos ligados direta e indiretamente ao setor petrolífero se reuniram na manhã de ontem, 26, na sede do Sindicato dos Petroleiros do Rio Grande do Norte (Sindipetro-RN) em Mossoró, para discutir a problemática referente à crise enfrentada pelo segmento atualmente. A situação está afetando vários setores da economia.
 
Para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Mossoró (Sintracom), Ivanildo Monteiro, a crise envolvendo a política adotada pela Petrobras atualmente já está afetando os profissionais do segmento em que atua.
 
Segundo ele, cerca de 50% das empresas que compõem o sindicato estão ligadas à área petrolífera, sendo que de junho do ano passado até o último mês de janeiro foi registrada 1,5 mil demissões no Sintracom."São postos de trabalho que não serão preenchidos, pessoas com dois, três anos de empresa demitidas frequentemente, e a tendência é que essa situação se agrave cada vez mais", pontua.
 
A situação também atinge o setor de transportes. Conforme o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Mossoró e Região (Sintrom), Francisco de Assis Medeiros, a maior parte das empresas associadas à entidade que administra é composta por prestadores de serviço à Petrobras, o que tem gerado demissões também na área dos transportes.
 
"Em 2012, foram 179 demissões, agora em 2013 já contabilizamos mais de 80 desligamentos. As empresas estão quebrando, todas estão tendo prejuízo. O que queremos é que a Petrobras assuma sua responsabilidade social, que a classe política também colabore para que essa situação seja resolvida", conclui Francisco de Assis.

Entidades formarão comissão para recepcionar a 
presidenta Dilma Rousseff durante sua visita ao RN

De acordo com o presidente do Sindipetro-RN, Pedro Idalino, a reunião resultou em dois pontos principais: a realização de um ato público, com data ainda a ser definida, e a formação de uma comissão que recepcionará a presidenta Dilma Rousseff durante sua visita ao RN, prevista para ocorrer no mês de abril.
 
"Vamos receber a presidenta Dilma, tentar discutir com ela a questão do investimento relativo à Petrobras em nosso Estado. Também promoveremos um ato público, reunindo os sindicatos que estão sendo afetados com essa crise. Do jeito que está não pode ficar. A Petrobras, a partir do marco regulatório do pré-sal, decidiu direcionar seu investimento para apenas um setor em detrimento de regiões como o Rio Grande do Norte", conta o presidente.
 
Segundo Pedro Idalino, o Sindipetro já havia alertado sobre a possibilidade de retração no segmento petrolífero há dois anos. "Se não há investimento, ocorre retração, desemprego, que hoje é uma realidade em nossa atividade, e o pior é que a própria Petrobras se nega a dar qualquer tipo de resposta sobre o assunto. Estamos fazendo um chamamento à sociedade, para enfrentarmos esse problema, que pode chegar a um nível incontrolável. Precisamos também do apoio do Poder Executivo municipal, que até agora não se pronunciou a respeito da crise", afirma Pedro, revelando que de janeiro de 2012 a fevereiro deste ano o Sindicado dos Petroleiros registrou mais de 1.130 demissões.

Fonte: O Mossoroense 

 NOTA DO BLOG:

Esse blog - já vem há bastante tempo alertando - para os problemas que o petróleo vem ocasionando para Mossoró e região, sem que o assunto, seja sequer discutido pelo poder público municipal e por aqueles que podem contribuir para reverter essa situação, que vem se agravando a cada dia.

Abaixo, reeditamos dois textos - publicados no blog - respectivamente nos dias 01 e 05 de março de 2010. 

Vamos aos textos:


O PETRÓLEO EM MOSSORÓ 



 A extração do petróleo, em qualquer parte do mundo, é sinônimo de lucros e riqueza próspera. Quando instalam-se as sondas, sejam em terra ou no mar, o clima reveste-se de euforia pela expectativa econômico-financeira que o evento provoca. 

Parece que das profundezas do solo, junto ao óleo negro e betuminoso que posteriormente gerará cifras astronômicas e incalculáveis, jorram também a ganância e o poder. E enquanto secam os poços, superlotam os cofres de quem fez opção por vasculhar a terra e explorar o povo.

Quando Mossoró apresentou os primeiros indícios de possuir petróleo (1922), acreditava-se que a cidade era um tesouro adormecido e prestes a ser descoberto. Sem dúvida o foi, mas quanto ainda estamos pagando por esse investimento! 

Não foi preciso debruçar-se em livros para perceber que Mossoró mudou, com a exploração do petróleo em suas terras. Tampouco se fez necessário ser profundo conhecedor do assunto, para detectar que a mudança tem se apresentado como aspectos inúmeros e negativos, hoje visíveis no cotidiano da sua população.

O que se tenciona é alertar para os problemas que o petróleo vem ocasionando para Mossoró, obscurecidos que estão. Mas é contra o tempo que estamos lutando. A cada dia, a cidade vem apresentando mudanças preocupantes nas mais diversas áreas (especificamente, a social, com a proliferação da violência, marginalidade, desemprego e prostituição), sem que o assunto seja sequer discutido por aqueles que podem contribuir para a melhoria ou revertimento dessa situação.

Os chamados “centros de produção do saber” que a cidade dispõe: Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN, Universidade Federal Rural do Semi Árido – UFERSA, Universidade Potiguar – UNP e a Mather Cristhi, parecem desconhecer a gravidade da questão e fingem não perceber a fundamental participação que deveriam ter nesse contexto. 

Se não bastasse a omissão das Instituições de Ensino Superior da cidade, calam-se também os representantes do poder público municipal, deixando a população à margem e esquecendo que a perpetuação dos miseráveis que o petróleo fez existir, é também e principalmente responsabilidade deles.

 O futuro que ronda nossa porta parece tão negro quanto o óleo que brota do nosso chão. É preciso devolver a Mossoró, a riqueza que lhe foi arrancada das entranhas, com a maleabilidade brutal que o poder sabe utilizar.

As marcas do progresso nunca foram tão sinistras e evidentes: exploram o nosso petróleo com o mesmo furor com que exploram o nosso povo, armazenam dólares na mesma proporção em que armazenamos dificuldades e problemas de toda espécie. O que parecia sonho tornou-se uma realidade caótica e insustentável. 

Precisamos, pois, reaprender a sonhar. Vamos à luta, pois se o petróleo é lucro, nossa força é vida, é conquista, é liberdade. “Quem sabe faz a hora, não espera acontecer” – Geraldo Vandré.

 CAE



O PETRÓLEO EM MOSSORÓ: UMA 

REALIDADE OU UM SONHO!? 

Com a descoberta do petróleo no Brasil, já se percebe que há uma espécie de aura envolvendo a existência desse óleo em nosso chão. 

A exploração do “ouro negro”, no entanto, reverteu lucros e problemas para a nação brasileira. 

Para evitar que essa tarefa passasse para mãos estrangeiras, desenvolveu-se ampla campanha de nacionalização do produto, que culminou com a criação da PETROBRÁS – Petróleo Brasileiro S.A.

 Embora aparentemente o problema estivesse resolvido, os fatos mostrariam que isso não era verdade. Em cantos variados do país, o óleo ia sendo descoberto e devidamente explorado por sondas da Petrobrás.

E Mossoró também se fez visível no cenário “petrolífero” do Brasil. A extração dos primeiros barris, como era de se esperar, configurou a idealização de Mossoró como grande produtor de petróleo. A cidade, até então interiorana, tomou ares de metrópole num espaço de tempo curto e, por isso incontrolável.

Quando a Petrobrás instala-se na cidade, novos elementos passam a constar no repertório do seu cotidiano. Um cotidiano que surpreende pelas inovações que dia a dia vão se sucedendo; um cotidiano que enquanto destrói a tranqüilidade da cidade pacata que havia antes da descoberta da riqueza do seu solo, vai construindo o sonho da riqueza fácil e do reconhecimento que tirará do anonimato essa cidade esquecida nas entranhas do nordeste.

O petróleo chega com força avassaladora, tal qual jorra dos poços que perfuram pelo chão, mas traz consigo visíveis transformações para a população que habita Mossoró. 

Uma cidade que hoje se vê às volta com situações e atitudes que não sabe reverter ou enfrentar. Enquanto cresce o número de migrantes que aqui vêm em busca das melhorias de vida que o “ouro negro” suscita para as pessoas, cresce também as filas do desemprego, os índices de marginalidade e violência, além de um sem número de problemas sócio-econômicos que inviabilizam o pseudo progresso aqui desenvolvido.

É preciso desmistificar esse sonho. É preciso discutir em todas as instancias e com todas as pessoas, sobre esse vírus negro que brotou do chão e vem perfurando mentes e corações, numa corrida desenfreada em direção a um futuro que nem ao menos sabemos qual será. 

É preciso alertar a todos para os enganos que estão sendo veiculados em nome do petróleo e nos impõem à responsabilidade de administrá-los como única forma de escaparmos da miséria. 

É preciso sensibilizar as autoridades locais, que podem fazer algo a respeito, para que o façam com a certeza de estarem contribuindo para o verdadeiro desenvolvimento desta cidade. 

É preciso denunciar a irresponsabilidade dos últimos governos Estaduais e Municipais que não propiciaram as condições necessárias para que pudéssemos enfrentar esse momento, de forma mais honesta e menos agressiva.

Estamos assistindo a “invasão” de Mossoró, através do loteamento da cidade por grandes grupos que aqui estão chegando, inflacionando brutalmente o mercado imobiliário e outros, ao mesmo tempo em que viabilizam seus projetos, em detrimento dos projetos endógenos.

É preciso denunciar o descaso e a apatia de instituições como: UFERSA, UERN, ACIM e CDL, em não valorizar a importância de se discutir este momento, promovendo em ações conjuntas debates e/ou estudos sobre as perspectivas futuras para Mossoró, bem como ações que minimizem os muitos problemas que assolam este município.

É preciso, apesar de tudo e contra esses que não empreendem qualquer atitude para reverter o caos que se instala em Mossoró, divulgar o outro lado que tem a exploração do petróleo.

 É preciso descobrir que acima do petróleo e para além dos poços e sondas que ele faz existir, sobrevivem à dignidade humana e a cidadania de um povo que não se vende, nem mesmo a preço de ouro... Negro

CAE

Rui Nascimento disse... 

Realidade: para aqueles que conseguiram através dessa fonte de riqueza alcançar objetivos, aproveitando as oportunidades que lhe foram proporcionadas. 

Sonho: para quem ao longo dos anos ainda batalha para buscar seu "lugar ao sol", talvez estes não estejam aproveitado de forma correta as oportunidades criadas. 

Pesadelo: para alguns, que tiveram nas mãos tudo e mais um pouco e não souberam aproveitar, deixaram o "cavalo passar celado". 

Carlos, seu comentário é profundamente realista. 

A sociedade e as instituições precisam abrir os olhos e ter atidude. 

O petróleo pode acabar, mas Mossoró terá que continuar, com e sem ele.