sexta-feira, 20 de novembro de 2009

O QUE É ECONOMIA PLANIFICADA?


Economia planificada, também chamada de "economia centralizada" ou "economia centralmente planejada", é um sistema econômico no qual a produção é previa e racionalmente planejada por especialistas, na qual os meios de produção são propriedade do estado e a atividade econômica é controlada por uma autoridade central que estabelece metas de produção e distribui as matérias primas para as unidades de produção.

Nesse sistema a escolha da proporção entre quanto do PIB deve ser investido, e quanto deve ser consumido, torna-se uma decisão política centralizada.

Em uma economia planificada não há desordem na produção. Sua forma mais conhecida é o tipo de economia que foi adotada, durante cerca de 70 anos, pelo regime comunista-bolchevista da União Soviética e por seus países satélites, bem como pela China no perído do "Grande Salto à Frente" (1958-63).

Os socialistas defendem a planificação da economia, em maior ou menor grau. Hoje em dia muito poucos economistas, mesmo socialistas, ainda defendem uma economia totalmente centralizada e planificada, como foi a soviética. Em 2007 só existiam três economias totalmente planificadas no mundo: Cuba, Coréia do Norte e Mianmar (Birmânia).

Nas mais modernas economias planificadas, um poder central fica encarregado de decidir a respeito dos investimentos a serem realizados pela sociedade, a distribuição dos recursos necessários à produção, consumo e as metas a serem atingidas pelas empresas, exemplo dessa chamada economia planificada podemos identificar como o processo desenvolvido durante o período de 1964 a 1985, vinte anos em que tivemos no Brasil "Quatro chamados Planos Nacionais de Desenvolvimento, denominados PND I, II, III e IV"; cada um desses com duração de cinco anos, e que indicavam os rumos que a economia deveria seguir para o crescimento harmônico nos períodos. Em um programa de "dirigismo, ao nível definido e orientado por Keynes, a fim de evitar as conhecidas crises cíclicas da economia capitalista".

As empresas, cujo objetivo principal seria não seu lucro mas o progresso do país, não têm tanta preocupação com sua eficiência e o risco de falência ou concordata, como nas economias capitalistas. Têm apenas que cumprir as metas traçadas e realizar a produção e distribuição da melhor forma possível, atendendo as necessidades da população.

Muitas das economias totalmente planificadas que existiram sobretudo no século XX acabaram perdendo credibilidade ao longo dos anos 1980 e 1990, devido ao aumento da burocratização, e da ausência de incentivos a ganhos de produtividade e inovações, havendo no Brasil, apesar de não ser totalmente planificado na época, um "Ministério da Desburocratização", para tornar o processo mais rápido e menos burocratizado, com vistas ao custo e qualidade do produto e sua competividade, a nível internacional, entre o III e o IV Plano Nacional de Desenvolvimento; e também a criação de órgãos como o "Ministério da Ciência e Tecnologia", ligando as instituições escolares às empresariais, com o fito de modernizar o aparelho produtivo na figura do operário e do estudante, a nível do chamado então "Primeiro Mundo", que eram na época chamados, países como os Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, Japão, França e outros. O Brasil se encontrava no nível dos paises "Em Desenvolvimento".
Fonte: Wilkipédia, a enFonteciclopédia

4 comentários :

Anônimo disse...

Hahahaha... Valeu, era tudo o que que precisava! XD

Valeeeeeu !

Adm_Ites disse...

olá!...me ajude a entende>>>
Se eu fosse um cidadã cubana, nos dias de hj e planejasse abrir um pequeno negócio:

Como as medidas cunho socialista afetariam a minha vida e a minha empresa?

o estimulo do cuentatropismo afetariam a minha vida e a minha empresa?

Parabéns pelo blogger ...um grande abraço!

Anônimo disse...

Acho a economia um pouco desfavoravel para alguns

Carolina disse...

E o que seria uma ação planejada determinante e uma ação planejada indicativa? os artigos 170 e 174 da CF/88 se realacionam a estas aões?